quarta-feira, dezembro 22, 2010

CECÍLIA KERCHE: Uma (inspiradora,talentosa e bela) elegância clássica





























Olá meninas!
Tudo bom com vocês? Hoje resolvi escrever um post sobre uma bailarina que hoje me inspira muito e realmente me emociona muito mesmo!Espero um dia conhecê-la pessoalmente e talvez dançar tão bem quanto ela! Então vamos a um pouco da história da mulher que inspira tantas bailarinas por todo Brasil, e que representa tão bem a dança em nosso cotidiano...

"Cecília Kerche é o reflexo de uma dedicação esmerada, correspondente á uma vocação específica como arauto da própria manifestação interior. Para ela, ser uma primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro ultrapassa a dimensão meramente cênica, porque existe uma coerência peculiar no seu modo de ser enquanto profissional, aliada a uma espécie de poder "impulsionador", uma voz divina chamada consciência.




Esse poder "impulsionador" tão característico dessa personalidade, pela sinceridade no pensar e no agir, conquistou admiração e reconhecimento no seu meio - melhor dizendo, conquistou notoriedade.



Cecília Kerche é brasileira, nascida e criada na cidade de Lins no estado de São Paulo vem de uma família de educadores. Seus pais foram professores da rede pública de ensino e seus dois irmãos também encontraram na linguagem do corpo, um meio de realização profissional. Sua irmã, campeã mundial de aeróbica e seu irmão bailarino profissional.




Cecília desde muito cedo conviveu com a realidade de um país em crescimento, onde se sonhava em adquirir conhecimento para formar opinião.



Sendo seus pais professores, apreendeu muito de perto a buscar o saber, saber este que sempre apontou para os valores essenciais da vida.



Não é muito difícil notar em Cecília uma extrema capacidade para viver as virtudes humanas, como por exemplo a constância - que é a capacidade de se vencer nas pequenas coisas do dia a dia; a generosidade - que é a capacidade de se preocupar com o outro; a laboriosidade - que é a capacidade de exercer um trabalho bem feito.



Esta foi sempre a temática de sua família, alicerçada no grande potenciador que é o amor, passado aos filhos por seus pais. Esse caminho a ajudou ser uma das principais profissionais no ramo da dança a nível mundial e, sobretudo, a não se deixar arrastar pelo efêmero.



- "Meus Pais sempre tiveram muita dificuldade para "bancar" meus estudos da dança, mas foi graças a essa dificuldade que aprendi a valorizar minha profissão e o profissional da dança. Até hoje, minha mãe não se comporta como mãe de artista. Aliás, gosto muito desse padrão, porque é o que me norteia a estar sempre dentro da realidade. Sei separar "tietagem", de uma amizade sincera, e devo isso à educação que recebi dos meus pais. Minha mãe nunca foi de elogios. Ela me prestigia, porém sempre com muita sobriedade em relação ao meu trabalho. É uma grande educadora...



Recordo que um dia reclamei sobre a variedade da comida à mesa, pois havia apenas banana frita, feijão e arroz. Minha mãe respondeu: - "Você está reclamando? Meus alunos comem pano de refeição".



Nossa! Aquela resposta foi uma lição para toda vida. Já imaginou comer pano no almoço?"



Aos 15 anos tive a sorte de conhecer Pedro Kraszczuk, fabricante de sapatilhas e também bailarino e que me incentivou muito. Acabamos nos casando e estamos juntos há 25 anos. É ele quem cuida da minha carreira. Eu estudava ballet desde os 8 anos, mas foi aos 15 que comecei a dançar mesmo. Pedro patrocinou as sapatilhas e custeou meus estudos".



É natural na interpretação de Cecília Kerche essa elegância clássica, porque é algo que reflete a sua alma, seu modo de ver o ser humano como um todo.



- "A gente não passa ileso por essa carreira, que tem a sua maravilha, a sua magia, mas também tem a parte dolorida. O artista, assim como o atleta, aprende a encarar as lesões como parte do trabalho. Não há ganho sem dor (...)".



Essa colocação se estende na vida prática de Cecília, que desde muito cedo ao ser contemplada com uma bolsa de estudos para estudar na Capital, começava uma longa e desafiante trajetória de vida e obstinação de uma menina que sabia que não poderia mais viver sem o ballet.



Como toda adolescente Cecília tinha sonhos, dúvidas e muitas vezes foi preciso "engolir o choro" para adaptar-se a um novo mundo com uma disciplina de estudo enfadonha.



"- Mal sabia, que mais tarde, não só iria percorrer a Capital Paulista, mas as principais capitais do mundo."



"Aos 15 anos eu me determinei que até os 25, eu seria primeira bailarina do teatro mais importante do país. Por incrível que pareça, ao completar 25 anos no mês de Outubro, dois meses depois fui nomeada primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro".



É assim a simplicidade madura dessa bailarina, que consegue através das circunstâncias da própria profissão - extrair sentido de cada dificuldade ultrapassada.



A vocação especial de ser artista traz uma conexão implícita entre a ética e a artística, porque exerce um chamado do servir a quem é dado esse talento, através da própria execução do seu trabalho enquanto Ser, é portador de elevação cultural para quem assiste, uma vez que cultura para o ser humano não é algo acidental, mas aprimoramento espiritual.



"- Qual a idéia que se faz nos dias de hoje sobre arte? Entretenimento ou Cultura?

- A que se é chamado na arte da dança?"



"O Sol brilha para todos", é uma frase aparentemente corriqueira e sem grandes pretensões, mas dito por Cecília ganha força e profundidade.



O que dizer de um modo de pensar ético, sobrepondo-se ao bem estar pessoal?

Nessa expressão "O sol brilha para todos" - chega-se a uma reflexão sobre o efeito transformador de um comportamento ético, intrínseco a um talento nato. Um fazer-se luz da ação divina no humano, astro da própria vida.



Cecília Kerche faz do seu talento, um veículo de transcendência e racionalidade, num modo de atuar que dá forma e significado a algo já existente. Numa magnitude de movimentos cuidadosamente elaborados com o requinte de uma expressividade suave inunda o universo pessoal do expectador. Sua interpretação comunica, porque transmite verdade e transmite verdade porque realiza.



Uma carreira sólida com reconhecimento internacional e principalmente no seu país lhe dá a sabedoria e serenidade de missão cumprida que os vitoriosos merecem desfrutar. Ela se considera uma bailarina à moda antiga, cuja arte resiste ao tempo e se aprimora com ele.



- "Claro que o trabalho ideológico nunca estará concluído, mas estou deixando pelo menos uma esperança para esta geração e as que virão. Uma esperança - já concretizada, - de que é possível fazer arte, ballet no Brasil, uma vez que sou de escola exclusivamente brasileira, nunca estudei em outro país. Quando viajei, foi para dançar em 17 companhias estrangeiras, em mais de 20 países. Fui como convidada e não para aprender. Tudo que aprendi, foi aqui no Brasil".



É uma afirmação "ousada" e resoluta para as necessidades que envolvem o artista nacional, sobretudo, uma característica de auto - estima pelo seu país e seu legado.



Um de seus sonhos é ver o Brasil como um dos centros mundiais de produção de dança.



Alguém, "à moda antiga", como ela mesma se define quando não está atuando, gosta das coisas simples da vida como ir ao cinema, ler, bordar, cozinhar. De fato, as coisas simples da vida trazem ensinamento.



Uma trajetória através de muitos personagens que formam uma trilogia de atuação na arte dessa profissional: "O Lago do Cisnes" - com sua majestade artística na infinitude técnica.

"Giselle" - a carga emocional no "sfumatto" da linearidade clássica.

"Onegin" - o pulsar de um coração eslavo no ápice da beleza estética entre compositor e intérprete.



Pode-se concluir que a trajetória do universo individual que Cecília Kerche apresenta através de sua arte vai ao encontro das palavras de Ana Sánchez de la Nieta, que define elegância "como a adequação do atraente com a forma pessoal de ser, de pensar e de agir".



Que significado a arte de Cecília Kerche pode atribuir a vida particular de cada um nessa linguagem de comunicar o invisível através da verdade pessoal do intérprete, que utiliza toda a sua arte para chegar ao expectador?






























INSPIRADORA, hein???

Beijos a todos que leêm :)

Um comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails